A escola e a revolução na igualdade da educação

Out 25, 2018

Este ano letivo fomos testemunhas da vontade de aprofundar a mudança na educação em Portugal, e com isso aumentar o bem-estar de todos os membros da comunidade educativa, com a publicação de diversos diplomas relevantes para o ensino não superior português

A Declaração Universal dos Direitos Humanos, adotada pela Organização das Nações Unidas em 10 de dezembro de 1948, delineia os direitos humanos básicos em 30 artigos. A educação, a liberdade de educação, de liberdade de escolha da escola por parte dos pais e das famílias são um dos pilares do Estado de direito, livre e pluralista.

Portugal é, desde abril de 1974, uma democracia. Nesse sentido, a educação tem ocupado desde sempre um lugar cimeiro nas políticas públicas dos sucessivos governos.

Ultimamente temos assistido a grandes mudanças no ordenamento jurídico nacional no âmbito do direito da educação que tem o aumento da democraticidade no seio da comunidade educativa como o âmago da reforma em curso.

Começámos com a autonomia e flexibilidade curricular(1), que de projeto-piloto, de natureza voluntária, foi alargado a toda a rede escolar com caráter geral e abstrato, pois os resultados evidenciaram claras melhorias nas competências adquiridas pelos estudantes cujas escolas tinham aderido ao projeto.

Este ano letivo fomos testemunhas da vontade de aprofundar a mudança na educação em Portugal, e com isso aumentar o bem-estar de todos os membros da comunidade educativa, com a publicação de diversos diplomas relevantes para o ensino não superior português: o Decreto-Lei n.º 55/2018, de 6 de julho, que estabelece o currículo dos ensinos básico e secundário, os princípios orientadores da sua conceção, operacionalização e avaliação das aprendizagens, de modo a garantir que todos os alunos adquiram os conhecimentos e desenvolvam as capacidades e atitudes que contribuem para alcançar as competências previstas; a Portaria n.º 226-A/2018, de 7 de agosto, que procede à regulamentação dos cursos científico-humanísticos, a que se refere a alínea a) do n.º 4 do artigo 7.º do Decreto-Lei n.º 55/2018, de 6 de julho, designadamente dos cursos de Ciências e Tecnologias, Ciências Socioeconómicas, Línguas e Humanidades e de Artes Visuais, tomando como referência a matriz curricular-base constante do anexo VI do mesmo decreto-lei, e a Portaria n.º 223-A/2018, de 3 de agosto, que procede à regulamentação das ofertas educativas do ensino básico, previstas no n.º 2 do artigo 7.º do Decreto-Lei n.º 55/2018, de 6 de julho, designadamente o ensino básico geral e os cursos artísticos especializados, definindo as regras e procedimentos da conceção e operacionalização do currículo dessas ofertas, bem como da avaliação e certificação das aprendizagens, tendo em vista o perfil dos alunos à saída da escolaridade obrigatória.

Há no legislador a vontade de dar à escola mais liberdade para atuar noutras vertentes – cidadania, empreendedorismo, saber estar, saber ser e ser pessoa. Fala-se tanto no perfil do aluno e deve dar-se a possibilidade de o construir de forma empiricamente livre. Promover a igualdade pressupõe que o projeto educativo de cada escola não esteja confinado de forma estrita ao curriculum. A escola não pode ser só curriculum. A escola deve ser mais. Muito mais.

(1)Já aqui falámos acerca desta temática, em setembro de 2017: “A Autonomia e Flexibilidade Curricular e a Declaração de Bolonha. O ensino não superior vive por estes dias uma das maiores reformas de que há memória em Portugal“. In: Jornal de Negócios

Administradora do ISG | Instituto Superior de Gestão e do Grupo Ensinus

Artigo em conformidade com o novo Acordo Ortográfico

 

Artigo publicado a 25/10/2018 no Jornal de Negócios

Outras Notícias

Feira de Educação – Bicentenário da Independência do Brasil

Feira de Educação – Bicentenário da Independência do Brasil

A Senhora Administradora do Grupo Ensinus, Dra. Teresa do Rosário Damásio, estará hoje presente, 23 de junho, pelas 15h45, na Feira de Educação – Bicentenário da Independência do Brasil. A sua intervenção está integrada na Mesa Redonda “200 Anos de Mulheres” e conta...

Dra. Teresa Damásio em entrevista à Mais Educativa

Dra. Teresa Damásio em entrevista à Mais Educativa

A Dra. Teresa do Rosário Damásio, Administradora do Grupo Ensinus cedeu uma Entrevista ao GUIA da FORMAÇÃO PROFISSIONAL 2022/2023, na edição de Maio 2022 da Mais Educativa. Queres saber mais sobre as vantagens deste ensino? Esta entrevista poderá ajudar-te!...

Grupo Ensinus na NAFSA  – Association of International Educators

Grupo Ensinus na NAFSA – Association of International Educators

O Grupo Ensinus vai estar presente na NAFSA - Association of International Educators, através da presença do ISG|Business and Economics School, no Pavilhão Study & Research in Portugal, de 31 de maio a 3 de junho de 2022. A Senhora Administradora do Grupo Ensinus,...

Encontro entre Entidades Protocoladas do Projeto ENSINUS+

Encontro entre Entidades Protocoladas do Projeto ENSINUS+

Ainda no rescaldo das comemorações do Dia de África, o Instituto Superior de Gestão assinalou a efeméride com um encontro entre todas as Entidades protocoladas do PROJETO ENSINUS +. Este Projeto visa promover o acesso e paridade na Educação, por parte de comunidades...

Dra. Teresa Damásio em entrevista ao Podcast AADUL

Dra. Teresa Damásio em entrevista ao Podcast AADUL

A Senhora Administradora do Grupo Ensinus, Dra. Teresa do Rosário Damásio esteve presente em entrevista no Podcast AADUL. Este podcast da Associação Académica de Direito da Universidade Lusófona trata de diversos temas com variados convidados, no mundo jurídico e não...