O diálogo social e a democracia

Ago 22, 2019

A liberdade sindical e o direito de associação estão, naturalmente, consignados na Lei Fundamental da República Portuguesa.

O Tratado sobre o Funcionamento da União Europeia no seu artigo 151.º dispõe que “A União e os Estados-membros, tendo presentes os direitos sociais fundamentais, tal como os enunciam a Carta Social Europeia, assinada em Turim, em 18 de outubro de 1961 e a Carta Comunitária dos Direitos Sociais Fundamentais dos Trabalhadores, de 1989, terão por objetivos a promoção do emprego, a melhoria das condições de vida e de trabalho, de modo a permitir a sua harmonização, assegurando simultaneamente essa melhoria, uma proteção social adequada, o diálogo entre parceiros sociais, o desenvolvimento dos recursos humanos, tendo em vista um nível de emprego elevado e duradouro, e a luta contra as exclusões…”(1).

No Tratado de Roma (1957) o Princípio da Negociação já estava previsto e estatuído como primordial na edificação das relações laborais nos Estados-membros. Com o artigo 118.°- B do Ato Único Europeu (1986), criou-se a base jurídica para o diálogo social comunitário que teve, como consequência, a criação em 1992, do Comité de Diálogo Social (CDS) que se reúne várias vezes ao ano. Em 1997, o Tratado de Amesterdão (1997) elaborou a estatuição do Acordo relativo à Política Social. O Tratado de Lisboa (2009) voltou a enfatizar, no artigo 152.°, o papel relevante e ímpar dos parceiros sociais, reiterando o absoluto cuidado que os Estados-membros devem ter na facilitação do diálogo, devendo sempre preservar a autonomia destes.

O caminho que foi trilhado durante várias décadas culminou na Cimeira Social para o Emprego Justo e o Crescimento, realizada em Gotemburgo, na Suécia, em novembro de 2017, em que o Parlamento Europeu, a Comissão e o Conselho proclamaram o Pilar Europeu dos Direitos Sociais(2).

Vem tudo isto a propósito do conflito que assistimos em Portugal nas últimas semanas entre diferentes parceiros sociais – a ANTRAM e diferentes sindicatos, tendo-se destacado o Sindicato dos Motoristas de Matérias Perigosas, e do papel desempenhado pelo Governo, com a intervenção direta do primeiro-ministro e de diferentes ministros.

A liberdade sindical e o direito de associação estão, naturalmente, consignados na Lei Fundamental da República Portuguesa e no Código de Trabalho, onde o primado do Princípio da Negociação Coletiva e do Diálogo Social estão em total sintonia com o ordenamento jurídico comunitário. O direito à greve também existe, assim como a proibição do “lock-out”. Mas da nossa perspetiva o que importa realçar, e a grande conclusão que podemos e devemos tirar do conflito coletivo de trabalho a que assistimos, é que, no fim, o Pilar Europeu dos Direitos Sociais venceu. Isto porque durante vários dias ambos os parceiros sociais esgrimiram os seus argumentos e utilizaram de forma plena os instrumentos que o ordenamento jurídico laboral lhes permitia, tendo as condições de trabalho como justificativo para o início do conflito. Ao longo de todo este processo, que pareceu seguramente a todos demasiado longo, foram obviamente respeitados os diferentes artigos nomeadamente aqueles que dizem respeito aos mecanismos para a resolução dos conflitos coletivos de trabalho. Durante as horas intermináveis deste conflito, que parecia não ter fim, fomos vendo e percebendo que houve de todas as partes vontade real de o terminar. Isto tornou-se real quando o sindicato desconvocou a greve, após a garantia dada pela ANTRAM de que estaria disponível para reunir e chegar a um entendimento no que aos direitos sociais dos trabalhadores diz respeito, através da mediação do Governo.

Podemos concluir que de facto o diálogo social é fundamental para a democracia. Da mesma forma que o Pilar Europeu dos Direitos Sociais é essencial para o Estado social europeu!

Teresa Do Rosário Damásio | Administradora Grupo Ensinus para o Jornal de Negócios

Outras Notícias

Feira de Educação – Bicentenário da Independência do Brasil

Feira de Educação – Bicentenário da Independência do Brasil

A Senhora Administradora do Grupo Ensinus, Dra. Teresa do Rosário Damásio, estará hoje presente, 23 de junho, pelas 15h45, na Feira de Educação – Bicentenário da Independência do Brasil. A sua intervenção está integrada na Mesa Redonda “200 Anos de Mulheres” e conta...

Dra. Teresa Damásio em entrevista à Mais Educativa

Dra. Teresa Damásio em entrevista à Mais Educativa

A Dra. Teresa do Rosário Damásio, Administradora do Grupo Ensinus cedeu uma Entrevista ao GUIA da FORMAÇÃO PROFISSIONAL 2022/2023, na edição de Maio 2022 da Mais Educativa. Queres saber mais sobre as vantagens deste ensino? Esta entrevista poderá ajudar-te!...

Grupo Ensinus na NAFSA  – Association of International Educators

Grupo Ensinus na NAFSA – Association of International Educators

O Grupo Ensinus vai estar presente na NAFSA - Association of International Educators, através da presença do ISG|Business and Economics School, no Pavilhão Study & Research in Portugal, de 31 de maio a 3 de junho de 2022. A Senhora Administradora do Grupo Ensinus,...

Encontro entre Entidades Protocoladas do Projeto ENSINUS+

Encontro entre Entidades Protocoladas do Projeto ENSINUS+

Ainda no rescaldo das comemorações do Dia de África, o Instituto Superior de Gestão assinalou a efeméride com um encontro entre todas as Entidades protocoladas do PROJETO ENSINUS +. Este Projeto visa promover o acesso e paridade na Educação, por parte de comunidades...

Dra. Teresa Damásio em entrevista ao Podcast AADUL

Dra. Teresa Damásio em entrevista ao Podcast AADUL

A Senhora Administradora do Grupo Ensinus, Dra. Teresa do Rosário Damásio esteve presente em entrevista no Podcast AADUL. Este podcast da Associação Académica de Direito da Universidade Lusófona trata de diversos temas com variados convidados, no mundo jurídico e não...